top of page

ABRICÓ DE MACACO

Nome científico: Couroupita guianensis

Nomes Populares: Abricó-de-macaco, Amêndoa-dos-andes, Árvore-de-macaco, Castanha-de-macaco, Cuia-de-macaco, Cuiarana, Curupita, Macacarecuia.

 

Descrição geral:

O abricó-de-macaco é uma árvore muito ornamental, originária da floresta amazônica. Apresenta folhas simples, alternadas, e de formato elíptico a lanceolado. As flores curiosamente surgem do tronco, em longas inflorescências do tipo rácemo, que podem chegar a 3 metros de comprimento. As flores contêm seis pétalas carnosas, esverdeadas, alaranjadas ou vermelhas e longos estames brancos, amarelos ou róseos com anteras amarelas. Elas exalam um delicado aroma de rosas, e são atrativas para abelhas e mamangavas, que encarregam-se da polinização. A floração pode perdurar por todo o ano, mas é mais intensa na primavera e verão.

download (13).jpeg

ABÉLIA

Nomes Populares: Abélia, Abélia-da-china.

Nome científico: Abelia x grandiflora

 

Descrição geral:

  A abélia é um arbusto muito florífero, bastante ramificado excelente para a formação de cercas vivas e renques junto a muros, além de ser facilmente conduzido como trepadeira sobre caramanchões, podendo alcançar 2-3 metros de altura. Originou-se da hibridização de A. chinensise A. uniflora. Produz numerosas flores brancas e rosadas durante todo verão e outono. As podas não prejudicam a floração. Ocorre uma cultivar de folhas variegadas.    Devem ser cultivadas a pleno sol em solo fértil, com regas regulares. Pode ser cultivada em todo o país, tolerando o frio e o calor. Multiplica-se por estacas.

abelia_PT_500_0003253.jpg

ALAMANDA

Nome científico: Allamanda Cathartica

Nomes Populares:  Alamanda, Carolina, Dedal-de-dama.

Descrição geral:

Trepadeira bastante conhecida e utilizada no paisagismo no Brasil. A alamanda apresenta vistosas flores amarelo-ouro, praticamente o ano inteiro. A folhagem também é bastante ornamental, composta de folhas verdes e brilhantes. É considerada planta tóxica e por este motivo deve-se mantê-la longe do alcance de crianças pequenas e filhotes de cães.

Deve ser cultivada a pleno sol, em solo fértil e com regas regulares. É perfeita para cobrir pérgolas, muros e caramanchões, mas deve ser tutorada inicialmente. Devido ao peso da ramagem vigorosa, deve-se evitar seu uso em treliças e cercas mais frágeis. Seu crescimento é moderado. Adapta-se a todos os estados brasileiros, mas prefere o calor. Multiplica-se por sementes e por estaquia.

 

Alerta:

É considerada planta tóxica e por este motivo deve-se mantê-la longe do alcance de crianças pequenas e filhotes de cães.

A-alamanda-e-nativa-do-Brasil.-Fonte-Paisagismo-Ouro-Verde.webp

ÁRVORE DA FELICIDADE

Nomes Populares: Árvore da Felicidade

Nome científico: Polyscias guilfoylei

 

Descrição geral:

  A árvore da felicidade é uma espécie de vida perene da família Araliaceae, originária da Oceania e Ásia, muito procurada como bonsai ou para dar um ar sofisticado à decoração de salas, escritórios, varandas, halls e jardins.

A árvore da felicidade pode chegar a medir 5 metros de altura nas condições ideais de cultivo. Estamos falando de um arbusto ou arvoreta de ramagem lenhosa, ramificada e folhagem decorativa. A espécie tem um tronco mais grosso que a espécie “fêmea”, a Polyscias fruticosa. Suas folhas são ovaladas a elípticas, de cor verde escura e brilhante, com margens inteiras ou recortadas e pontas arredondadas.

  Uma planta de cuidados simples, mas de muitos significados. Acredita-se que a árvore da felicidade seja mensageira da alegria, das boas energias e da prosperidade. Mas pra receber todas essas dádivas você precisa ser presenteado! 

Polyscias_guilfoylei.jpg

ÁRVORE DO FOGO

Nome científico:  Brachychiton acerifolius

Nomes Populares: Arvore do fogo, flame tree, Braquiquiton, Brachichiton.

Método de propagação: semente

Descrição geral:

  Conhecida pelo nome comum de árvore-de-fogo-de-Illawarra (Illawarra Flame Tree), é uma espécie botânica de grandes árvores com distribuição natural nas regiões subtropicais da costa leste da Austrália. Seu nome traduz muito bem a espetacular copa revestida de um vermelho vivo. É, justamente, considerada uma das mais espetaculares árvores australianas.

4107afa5c3.webp

ÁRVORE GARRAFA

Nome científico:  Brachychiton rupestres

Descrição geral:

  A árvore-garrafa é nativa de Queensland, um dos estados da Austrália.​ Sua principal característica é o formato de seu tronco, que se assemelha ao de uma garrafa que pode atingir cerca de 3,5 metros de diâmetro e de 10 a 25 metros de altura, com folhas decíduas no inverno, para poupar água.

  A floração de cor creme ocorre entre setembro e novembro, e a frutificação, com folículos em forma de barco, acontece entre os meses de novembro e maio. É uma árvore suculenta e caduca, que se adapta facilmente ao cultivo e resiste à seca e às altas temperaturas.

  Esta árvore foi muito utilizada pelos aborígenes que consumiam as raízes das plantas jovens e também se refrescavam com a mucilagem adocicada secretada em ferimentos nos troncos. Eles também faziam buracos nos troncos macios para que água se acumulasse, as fibras eram usadas fazer redes de pesca. 

Árvore garrafa.jpg

ÁRVORE SAMAMBAIA

Nome científico:  Filicium decipiens

Nomes Populares: Felício, Filício

Descrição geral:

  A árvore-samambaia é uma árvore dióica, perenifólia, com folhagem decorativa que lembra no aspecto as frondes de samambaias, o que lhe conferiu tanto seu nome popular como botânico. Ela é nativa da Índia e do Sri Lanka e atinge até 7 metros de altura.

  Apresenta inflorescências terminais com flores sem atrativo ornamental, creme-amareladas, formadas em julho-agosto. Os frutos são pequenos globosos, com sementes diminutas, produzidos eventualmente

arvore samambaia.webp

ASSA PEIXE

Nome científico:  Vernonia polysphaera

Descrição geral:

  Arbusto nativo do Brasil, de pequeno porte, tendo em média de 1 a 3 metros de altura. Produz lindas e pequenas flores na cor branca, que atraem insetos como as abelhas, para fazer a polinização, sendo uma planta melífera e tendo também alguns usos medicinais, ajudando como anti-inflamatório, antirreumático e diurético, sendo usado na forma de chá.

  Pode ser cultivado em jardins e vasos.

ASSA PEIXE.webp

ASTRAPEÍA

Nome Científico: Dombeya seminole

Nomes Populares: Dombéia ou Astrapeía Rosa Pink

 

Pode ser cultivada em jardins, quintais e na formação de cercas vivas.

 

Modo de Cultivo: O cultivo deve ser feito em solo fértil e úmido, mas nunca encharcado, para auxiliar em seu desenvolvimento. O plantio pode ser feito tanto em sol pleno quanto em meia sombra. 

Descrição Geral:

 

É uma árvore nativa da África e de pequeno porte, podendo chegar até 5 metros de altura. Suas folhas chamam atenção pelo formato, pois são grandes e largas, de cor encantadora. Em sua época de floração produz lindas pencas de flores na cor rosa vibrante, e exalam um perfume muito encantador. Uma de suas grandes características, é que pode ser considerada uma planta melífera, pois tem a grande facilidade de atrair abelhas. Seu crescimento pode ser controlado com podas.

Época da Floração: Normalmente sua floração se dá entre os meses de junho e julho, mas e época de floração pode variar de acordo com a região de cultivo.

Astrapeía.jpg

AVE DO PARAÍSO

Nome Científico: Strelitzia reginae 

Nomes Populares: Estrelicia, strelicia.

 

Curiosidades: O mais surpreendente da estrelícia são as suas flores. A elas de deve o nome pelo qual também se conhece esta espécie: Ave-do-Paraíso. 

Descrição geral:

  Originária da região da costa Sul-africana e introduzida na Europa no Século XVI, a Estrelicia é uma planta ornamental também conhecida como “ave do paraíso”, e em algumas situações, identificada como “bananeirinha de jardim”, pertencente à família “Musaceae”, a mesma família da bananeira. A Estrelícia destaca-se por apresentar uma florcom formas inusitadas e muito durável. Esta durabilidade viabilizou um comércio, cada vez mais intenso, da flor cortada. Possui Grandes folhas, rigídas e coriáceas, persistentes de forma oval e oblonga, de cor verde azulada. Cada haste floral tem 5 a 8 flores formadas por grandes sépalas de cor de laranja brilhante (há uma variedade de flor amarela) e por três pétalas de cor azul metálico brilhante. A maior parte da floração ocorre durante o Inverno e a Primavera

ave-do-paraiso.webp

BAOBÁ

Nome científico:  Adansonia digitata

Nomes Populares: Árvore-da-vida, Embondeiro, Imbondeiro, Calabaceira, Árvore-dos-mil-anos.

Descrição geral:

  É uma planta originária da Africa Central e Australia, podendo também ser encontrada em Madagascar. É uma árvore considerada gigante pois pode alcançar até 30 metros de altura e excepcionalmente até 7 metros de diâmetro de tronco, claro que estes são casos de árvores centenárias.

Uma curiosidade desta planta caducifólia que se desenvolve em zonas ocasionalmete áridas, é que alguns baobás tem a fama de terem milhares de anos, mas como sua madeira não produz anéis de crescimento, isso é impossível de ser verificado.

São árvores extremamente resistentes podendo suportar até 9 meses de seca por ano. Isso acontece devido a sua grande capacidade de armazenar água dentro do tronco, podendo armazenar 120 mil litros de água em uma única planta. Também é muito resistente ao fogo. 

  Suas flores são grandes, pendentes, belíssimas, de cor branca, com pétalas recurvadas e numerosos estames. Logo que desabrocham tem um perfume doce, mas a medida que o tempo vai passando, vão adquirindo um mau cheiro peculiar, que lembra carniça. Duram de um a dois dias e são polinizadas por morcegos frugívoros. Os frutos que se seguem, conhecidos como Mukua, são ovais, com casca marrom, recobertos por uma fina camada de pelos. Sua polpa é pastosa quando úmida a pulverulenta depois de seca, de cor branco marfim. Ela é doce, comestível, nutritiva e encerra as sementes, pardacentas e reniformes.

baoba.jpeg

BARBOSA BRANCA

Nome científico:  Cordia superba

Nomes Populares: Babosa Branca ou Jangada do Campo Mudas

Descrição geral:

  Linda árvore nativa do Brasil, produz exuberante florada branca várias vezes durante o ano, com maior destaque na primavera e no verão. Planta de pequeno a médio porte, não ultrapassa 7 metros de altura, porém seu crescimento pode ser controlado com podas esporádicas. Uma ótima opção para arborização urbana, especialmente para se plantio em calçadas sob fiação elétrica. 

Produz pequenos frutos arredondados, não muito apreciados para consumo, porém estes frutos são atrativos para algumas espécies de pássaros. Árvore muito plantada na arborização urbana, no sombreamento de estacionamentos e para recuperação e reflorestamentos de áreas degradadas.

Bastante rústica, é de fácil cultivo e rápido cresicmento, se adapta a vários tipos de solo, mas tem preferência pelos úmidos com boa drenagem, enriquecidos com matéria orgânica. Deve ser plantada em sol pleno ou meia sombra. Pode ser conduzida em grandes vasos. 

Barbosa Branca.webp

BELA EMÍLIA

Nome científico:  Plumbago auriculata

Nomes Populares: Dentilária, Jasmin-azul, Plumbago

Descrição geral:

  Planta muito versátil e rústica, a bela-emília é largamente utilizada no paisagismo. Arbustiva e muito ramificada presta-se para cercas-vivas e pode ser tutorada como trepadeira. Suas flores são delicadas em forma de pequenos buquês. É mais comum encontrarmos espécimes de flores azuladas embora exista uma variedade de flores brancas.

Deve ser cultivada a pleno sol ou meia-sombra, isolada, em conjuntos ou como cerca-viva. Não é muito exigente em fertilidade e pode-se renovar a folhagem e estimular a floração com podas regulares. Multiplica-se por estacas, mergulhia e sementes e é tolerante ao frio.

BELA EMÍLIA.webp

CACTO MONSTRO

Nome científico:  Cereus peruvianus monstruosus

Nomes Populares: Cacto-monstruoso, Cereus, Mandacaru-do-peru, Mandacaru-monstruoso-do-peru, Urumbeta, Urumbeva, Urumbeva-do-peru.

Descrição geral:

  Como seu nome científico já denuncia, o Cereus peruvianus monstruosus é originário da América do Sul, sendo o Peru o seu mais provável centro de distribuição. Esta espécie também pode ser classificada como Cereus repandus. Em sua forma original, este cacto costuma ser chamado de Peruvian apple cactus, em países de língua inglesa, graças à aparência de seus frutos vermelhos, que lembram maçãs. Consequentemente, o cacto monstro, no exterior, vira monstrose apple cactus.

  As flores surgem no verão e são grandes, solitárias, brancas ou rosadas e desabrocham apenas uma vez cada, à noite no verão. Os frutos são comestíveis, deiscentes e apresentam casca vermelha ou amarela e polpa branca e adocicada, semelhante à pitaia.

cacto montruoso.webp

CACTO PARAFUSO

Nome científico:  Cereus peruvianus 

Nomes Populares:  Cacto Coluna, Cacto Espiral e até Cacto do Peru

Descrição geral:

  De coloração verde azulada, esse cacto cresce em formato espiral. Alguns estudiosos explicam que essa é uma característica relacionada à evolução natural da espécie, já que cada volta do espiral forma áreas de sombra na planta, independente da posição do sol.

  Quando é cultivado em ambientes ideais e forem realizadas trocas de vasos regulares, ele pode chegar a medir até 4 metros de altura e 12 centímetros de diâmetro.

cacto parafuso.webp

CAFÉ DE CIPÓ

Nome científico:  Merremia tuberosa

Nomes Populares:   Rosa de madeira, Flor de pau e Café cipó

Descrição geral:

   Trepadeiras volúveis, cresce e se enrola sem direção, perenes, e com ramos bastante ramificados desde a base, com cipós que crescem por 10 ou mais metros de comprimento. 

  A flor é grande, de cor amarela, campanulada (como sino) na base, com sépalas ligadas e homogenias medindo 2,5 a 3,8 cm de comprimento. Os frutos são do tipo cápsula com brácteas de proteção grandes do tipo e coloração de palha seca de milho. No centro se encontram de 1 a 4 sementes pretas angulosas de 1 a 1,5 cm de diâmetro, com superfície pilosa e aveludada.  

CAFÉ DE CIPÓ.jpg

CALIANDRA

Nome científico:  Calliandra tweedii

Nomes Populares:  Arbusto-chama, Diadema, Esponjinha, Esponjinha-sangue, Esponjinha-vermelha, Mandararé, Topete-de-pavão

Descrição geral:

  A Caliandra é uma planta pertencente a categoria dos arbustos. A Caliandra é uma planta muito resistente, pois são arbustos que podem ficar submersos por um período, e ainda suportam a correnteza dos rios quando estes estão cheios. A Caliandra pode chegar a medir 4,0 (quatro) metros de altura.

  As inflorescências são do tipo umbela, e lembram um pompom. Tem caule ramoso e folhas emendadas, folíolo pequenos e de coloração verde escura. Floresce durante quase todo o ano, no entanto o florescimento ocorre principalmente na primavera e verão.

caliandra.jpeg

CAMARÃO VERMELHO

Nome científico:  Justicia brandegeana

Nomes Populares: Camarão

Descrição geral:

  Planta interessante, sua linda florada vermelha com pequenas flores brancas é muito apreciada por borboletas, abelhas e beija - flores. Floresce o ano todo. 

   A folhagem é delicada e ramificada, e apresenta folhas pilosas, oval-lanceoladas e com nervuras bem marcadas. Ocorre uma variedade de brácteas amarelas.

CamaraoVermelho.webp

CAMBARÁ

Nome científico: Lantana camara

Nomes Populares: Bandeira-espanhola, Camará, Camaradinha, Cambará-de-cheiro, Cambará-miúdo, Cambará-verdadeiro, Cambarazinho, Chumbinho, Lantana, Lantana-cambará, Verbena-arbustiva

Descrição geral:

   O camará é um bom exemplo do aproveitamento econômico da biodiversidade brasileira. Há pouco tempo atrás, esta planta era considerada apenas uma invasora de pastos e lavouras. Atualmente, por meio de estudos de melhoramento e seleção de genótipos silvestres, chegou-se a inúmeras variedades de flores coloridas e diversos tamanhos de plantas, que são cultivados nos jardins de norte a sul do Brasil.

  Na medicina popular, o camará é utilizado como diurético, expectorante, febrífugo, antirreumático e suas raízes como anticonvulsivo. Porém, é necessária cautela no uso desta planta, pois as folhas são ricas em óleos essenciais, compostos fenólicos e triterpenoides, com predominância de flavonoides, o que lhe confere potencial tóxico. As folhas e frutos são tóxicas se ingeridas por animais e pelo homem.

Cambará.jpg

CAMÉLIA

Nome científico:  Camellia japonica

Nomes Populares: Japoneira

Origem: Ásia, China, Coréia do Norte, Coréia do Sul, Japão

Descrição geral:

  A Camélia apresenta inúmeras variedades e híbridos. Versátil, pode ser utilizada como arbusto ou arvoreta. É muito popular, sendo cultivada no mundo todo, tanto em climas tropicais, como temperados. Seu tronco é lenhoso e suas folhas são elípticas, cerosas e coriáceas, serrilhadas ou denteadas. As flores solitárias, podem ser de diversos tipos, podendo ser grandes ou pequenas, simples ou dobradas, de diversas cores, sendo que as mais comuns são as brancas, as róseas e as vermelhas, e não são raras as bicolores.

  Sua utilização paisagística é ampla, adequando-se a jardins europeus, orientais e contemporâneos. A época de sua floração varia de acordo com o clima em que está inserida, podendo ocorrer desde o outono/inverno até durante ano todo em regiões mais quentes. As flores podem ser colhidas e são bastante duráveis, desde que não sejam manipuladas, pois podem ficar com manchas escuras. É a flor inspiradora do romance A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas Filho.

Camélia 1_edited.jpg

CANUDO DE PITO

Nome científico: Senna bicapsularis

Nomes Populares: Aleluia, Pau-de-cachimbo

Descrição geral:

  O Canudo-de-pito é um arbusto ou arvoreta florífero, decíduo e tropical, nativo da América do Sul. Apresenta porte pequeno e copa arredondada e aberta, muitas vezes  com ramagem escandente e até trepador. Alcança em torno de 3 metros de altura com 2 metros de largura.

   As flores surgem no fim do verão e no outono, reunidas em inflorescências axilares do tipo rácemo. Elas são pentâmeras, de cor amarelo ouro e com longos estames recurvados. O fruto que se segue é do tipo vagem, deiscente e amadurece no inverno.

Seu cultivo é muito interessante quando se deseja atrair borboletas, pois tanto a folhagem serve de alimento para as lagartas, quanto as flores para os adultos. Exige pouca manutenção, que se restringe a adubações semestrais, além de eventuais  podas de formação e limpeza. Cresce rápido. Para um visual mais cheio e uma boa estrutura, convém imprimir podas de formação regularmente durante o crescimento.

Canudo de pito.jpg

CAPOTA VERMELHA

Nome científico: Megaskepasma erythrochlamys

Nomes Populares: Capota-vermelha, Justícia-vermeha

Descrição geral:

  A capota-vermelha é um arbusto grande, semilenhoso e pouco ramificado. Possui florescimento vistos e muito durável, também conhecido popularmente como justícia-vermelha. As inflorescências terminais são chamativas, compostas por brácteas avermelhas ou rosadas e flores delicadas brancas, que atraem muito beija-flores. Pode ser cultivada como planta destaque em jardins, ou em grupos formando maciços ou até cercas vivas. Apesar de atingir grandes proporções, pode ser mantida podada e em portes mais compactos, sem grandes problemas e florescendo normalmente. Também pode ser cultivada em vasos e jardineiras. Aprecia climas tropicais, quentes e úmidos, além de ser muito tolerante a salinidade do solo, sendo indicada para o cultivo em regiões litorâneas. Não tolera geadas e temperaturas muito baixas.

Capota.jpg

CEDRO ROSA

Nome científico: Cedrela fissilis

Nomes Populares: Cedro Rosa

Descrição geral:

   O Cedro Rosa, da família do pinheiros, é muito conhecida por produzir uma fragrância arómatica. É uma árvore de vida longa, muito usada para fins de paisagismo por causa da sua folhagem atraente. A sua árvore pode medir até 35 metros de altura.

  As flores são brancas, com tons levemente esverdeados e ápice rosado; também são pequenas, agrupadas em tirsos axilares de 30 cm, na média, sendo que as masculinas são mais alongadas que as femininas. A floração e a frutificação, que se iniciam entre dez e quinze anos após o plantio.

Cedro.webp

CEREJEIRA JAPONESA

Nome científico: Prunus campanulata

Nomes Populares: Cerejeira-ornamental, Cerejeira branca ou  Sakura

Descrição geral:

   Espécie de origem asiática e com forte influência japonesa, a cerejeira japonesa é símbolo no Japão. A primeira semente de cerejeira japonesa floresceu no Jardim de Kyoto e anualmente o Japão pára durante o mês de janeiro para o Festival da Sakura, quando a árvore está carregada de flores, com transmissão ao vivo pela TV, lotando ruas com admiradores que querem observar, de perto, a beleza natural da cerejeira japonesa. Culturalmente os japoneses assemelham suas flores à imagem das gotas de sangue que os samurais derramavam em suas batalhas.

  No Brasil, a árvore perde suas folhas entre os meses de maio e junho e começa a florescer a partir de julho. No final do inverno e início da primavera, acontece, em São Paulo, todo ano, o Festival das Cerejeiras no Parque do Carmo.

  A curiosidade é que a cerejeira japonesa passa por transformação no decorrer do ano. Suas folhas mudam de cor a cada estação. Mas o grande charme da cerejeira japonesa é, sem dúvida, suas flores, perfumadas, de cor branca e tonalizada de rosa, muito usadas também para fazer chás.

  As cerejeiras japonesas são belas, intensas, elegantes e imponentes. Podem medir de 4 a 12 metros de altura

Cerejeira_edited.jpg

CHAPEU CHINÊS

Nome científico: Holmskioldia sanguinea

Nomes Populares: Chapéu-chinês-amarelo, Chapéu-chinês-vernelho, Chapéu-de-mandarim, Holmskioldia-vermelha

Descrição geral:

  O chapéu-chinês é uma planta arbustiva, de textura semi-lenhosa de florescimento muito ornamental e peculiar. Apresenta ramos longos, um tanto pendentes e folhas ovaladas, com bordos serrilhados e pontas afiladas. As flores são um espetáculo à parte, possuem formato de trompete com o cálice em formato de chapéu, o que deu origem ao nome popular. As flores são originalmente vermelhas ou alaranjadas, mas ocorre uma variedade completamente amarela. A floração ocorre na primavera e no verão.

  Ganha destaque especial quando plantado isolado, sobre extensos gramados, mas também forma excelentes renques em grupos. Devido aos ramos longos, pode ser conduzido como trepadeira sobre treliças e outros suportes, desde que adequadamente tutorada e amarrada. É considerada uma planta troquilógama, isto é, apropriada para a alimentação dos beija-flores.

Chapeu chines.webp

CHUVA DE OURO 

Nome científico: Cassia fistula

Nomes Populares: Canafístula, Cássia-fístula, Cássia-imperial

Descrição geral:

  A árvore tem uma história muito longa de uso medicinal, que remonta aos tempos antigos e ainda é comumente usada na medicina moderna. A chuva-de-ouro têm propriedades tóxicas e seu consumo deve ter sempre acompanhamento médico. As sementes são tão perfumadas quanto as flores e são usadas para perfurmar a casa, para isso, basta espalhar vagens secas e abertas pelo ambiente. Apesar desse histórico de beleza e importância, a madeira da chuva-de-ouro é muito utilizada para a feitura de vigamentos, caibros, caixilhos, rodapés, obras internas, carpintaria, confecção de palitos de fósforo e caixotaria.

Chuva de ouro.jpg

CIPRESTE VELA 

Nome científico: Cupressus sempervirens

Nomes Populares: Cipestre Italiano

Descrição geral:

  Se mantem verde o ano todo, é muito interessante e decorativo com seu porte e folhagem escura. O cipreste italiano é muito resistente ao fogo e pode ser usado como barreira para os incêndios que afetam a região mediterrânea.

CIPRESTE VELA.jpg

CLERODENDRO BRANCO

Nome científico: Clerodendrum wallichii

Nomes Populares: Clerodendro Branco

Descrição geral:

  O clerodendro-branco é um arbusto escandente ou arvoreta, de textura semi-lenhosa, nativo de regiões tropicais do sudeste asiático e cultivado por sua folhagem e florescimento ornamentais. Apresenta ramagem arqueada, com galhos longos e não muito ramificados. As folhas são verde-escuras, brilhantes, lanceoladas, inteiras, opostas, com nervuras bem marcadas e margens irregularmente denteadas. As inflorescências surgem no outono e são do tipo panícula, terminais, longas, frouxas e pendentes. As flores são delicadamente perfumadas, hermafroditas, brancas, pentâmeras, com estames longos e recurvados para cima e cálice levemente esverdeado. Os frutos que se seguem são drupas globosas, preto-azuladas quando maduras, e protegidas pelo cálice persistente, que se torna avermelhado.

   Com delicados buquês em cascata, o clerodendro-branco tem um tempo de floração relativamente curto, mas não decepciona. De crescimento lento e baixa manutenção, pode ser tutorado através de podas e amarrios a se tornar uma pequena árvore ou mesmo uma trepadeira escandente. Uma das maiores vantagens desta espécie é que ela floresce satisfatoriamente em condições de sombra, o que é bastante incomum para arbustos. Desta forma, é uma planta de eleição para adornar ambiente internos bem iluminados, assim como corredores e outras áreas um tanto escuras do jardim. Convenientemente pode ser conduzida em vasos e jardineiras. Como se não bastasse ainda atrai uma infinidade de borboletas e abelhas durante a floração. Ao contrário de muitas espécies do gênero Clerodendrum, o Clerodendro-branco não emite muitas brotações a partir das raízes, desta forma tem baixo potencial invasivo.

clerodendro-branco.jpg

COITÉ